Tag Archives: Vogue

Vogue Paris: 90 anos em 50 capas

2 out

A Vogue Paris está completando 90 anos. Para mim, 90 anos super bem vividos, já que é a minha Vogue favorita. Enfim, como parte das comemorações, a publicação fez uma galeria com suas 50 capas mais importantes. Acho que todas as modelos, atrizes e cantoras que importam já bateram ponto lá, de Audrey Hepburn a Lara Stone. As francesas então, nem se fala, Catherine Deneuve, Brigitte Bardot, Jane Birkin…

Todas registradas pelo crème de la crème da fotografia de moda: Helmut Newton, William Klein (um dos meus favoritos TOUJOURS), Bert Stern (aquele que fez as últimas fotos da Marilyn), Mario Testino, Patrick Demarchelier…

Enquanto conferia as fotos, foi inevitável pensar nas diferenças da Vogue Paris e suas primas americana e brasileira. Parece que o perfil da publicação, hoje sob o comando de Carine Roitfeld (SUA LINDA!), sempre foi mais avant-garde. São as mesmas celebridades na capa, mas o foco é completamente diferente: mais ousado tanto nos “temas” quanto no tratamento estético.

Adoro a Vogue Paris e separei as capas mais queridas:

Audrey Hepburn, de Givenchy, por Bert Stern (Maio/1963)

Twiggy entre borboletas, por Henry Clarke (Maio/1967)

Hors-concours: Intervenção de Salvador Dali em foto de Marilyn Monroe, por Philippe Halsman (Dezembro/1971-Janeiro/1972)

Outra fantástica: Caroline de Mônaco, por Andy Warhol (Dezembro/1983-Janeiro/1984)

Karen Mulder, em edição especial ao cinema, por Michael Thompson (Dezembro/1994-Janeiro/1995)

Madonna, fotografada por Steven Klein, seu favorito (Agosto/2004)

Sofia Coppola por Mario Testino (Dezembro 2004 - Janeiro 2005)

Essa é outra capa master: Drew Barrymore, por Nick Knight (Dezembro 2006-Janeiro 2007)

A edição comemorativa dos “90 anos de excessos” também merece um espaço nessa galeria.

Lara Stone, atual número 1, por Mert & Marcus (Outubro/2010)

Anúncios

Corpo indócil

23 jul

Uma das fotos da campanha de inverno da Givenchy é essa aí do lado. A grife francesa contratou nove modelos, entre homens e mulheres, a maioria deles propositalmente bastante andróginos. Um deles é Lea T, que se destaca na foto de ombro desnudo e batom vermelho escuro. É também a única de salto. Isso é importante.

Lea é assistente pessoal de Riccardo Tisci, estilista da marca, que costuma trabalhar com essa relação anti-dicotômica entre masculino e feminino. Apesar da estreita convivência com o mundo da moda, estudava veterinária e aceitou o convite para estrelar a campanha por amizade. A recém-descoberta modelo também desfilou alta-costura para a Givenchy.

Depois disso, foi destaque na Vanity Fair italiana e considerada uma das apostas do momento pela Vogue francesa. Um perfil bem escrito com uma foto corajosa, que tenho minhas dúvidas que a Vogue americana ou a brasileira publicassem. Lea está nua e omite/revela que a nova estrela da agência Women nasceu Leandro.

Quando elogiei a foto em público, vi muitos narizes torcidos. Nos sites que permitem comentários, várias reclamações (sem falar nos religiosos ofendidos de plantão). “A foto é feia”, diziam, ou “só pra chocar”. Evidentemente que o retrato na Vogue não tem a intenção de ser belo nos padrões clássicos pré-estabelecidos. A riqueza está na construção da foto, em que o significado (conteúdo) se sobressai sobre o significante (forma). Num mundo de aparências, Lea aparece exatamente como é: nua, sem maquiagem, cabelos longos, seios femininos e um órgão masculino que tenta esconder (certamente incomoda muito mais a ela do que a você, pudico leitor).

Por que será que incomoda tanto? Talvez porque o corpo seja uma das formas mais efetivas de controle. Foucault falava dos “corpos dóceis”, voltados à disciplina, submissos, controlados. O corpo de Lea T é transgressor. Ao abrigar em si o masculino e o feminino, constrói uma subjetividade que foge dos papéis impostos pelo e ao “sexo biológico” e rompe com normas de comportamento e estética.

O que faz uma mulher? Em entrevistas, Lea conta que fará cirurgia para mudar de sexo e adequar seu corpo a sua psiqué. Como já disse em outro post, o corpo visto como uma dádiva divina e intocável não existe mais. Hoje o corpo é um projeto humano, o que permite até mesmo a mudança de sexo. Sem falar que a questão reascende velhos debates: alma x corpo x razão x natureza. Ainda que inconscientemente, mexer em idéias cristalizadas assusta.

Parabéns a Carine Roitfeld, pela ousadia e por acreditar, além do discurso batido, que, sim, a moda também tem a ver com mentalidades.

Morre Naomi Sims, a primeira top model negra dos EUA

4 ago
Naomi Sims

Naomi Sims

A primeira top model negra dos Estados Unidos, Naomi Sims, morreu de câncer aos 61 anos, anunciou nesta terça-feira a imprensa local.

Oriunda do Mississippi, onde nasceu em 1949, Sims se mudou posteriormente para Nova York, onde começou a desfilar e foi a primeira negra a aparecer na capa da Fashion of the Times, o suplemento dedicado à moda do jornal The New York Times, em 1967. Um ano mais tarde, foi capa da revista feminina Ladies Home Journal e, em 1969, alcançou fama mundial com uma foto na revista Life, ao ser declarada a Modelo do Ano.

“Graças a suas iniciativas pessoais e pioneiras, conseguiu criar um verdadeiro lugar para as mulheres negras na indústria das modelos”, afirmou Marcellous Jones, editora da The Fashion Insider.

Fonte: Terra

Belas modelos negras na história da moda

Donyale Luna, para Paco Rabanne, nos anos 60

Donyale Luna, para Paco Rabanne. Foi a primeira na capa da Vogue inglesa.

Beverly Johnson foi a primeira negra na capa da Vogue América, nos anos 70

Beverly Johnson foi a primeira negra na capa da Vogue América, nos anos 70

Iman apareceu nos anos 70 e arrasa até hoje, com o maridón David Bowie

Iman apareceu nos anos 70 e arrasa até hoje, com o maridón David Bowie

Grace Jones não vivia só de música. Aqui com Azzedine Alaia

Grace Jones não vivia só de música. Aqui com Azzedine Alaia

Veronica Webb, primeira negra na Revlon. Hoje na TV com Tim Gunn

Veronica Webb, primeira negra na Revlon. Hoje na TV com Tim Gunn.

Supermodelo Tyra Banks foi uma das angels antes do America's Next Top Model

Supermodelo Tyra Banks foi uma das angels antes de apresentar o America's Next Top Model

A sudanesa Alek Wek, a mais negra das belezas nas passarelas

A sudanesa Alek Wek, a mais negra das belezas nas passarelas

Os modelos da marca infantil Lemlem, da modelo Liya Kebede, são feitos a mão por costureiras da Etópia

Os modelos da marca infantil Lemlem, da modelo Liya Kebede, são feitos a mão por costureiras da Etópia

Pra fechar a seleção gringa, a bela, barraqueira e icônica Naomi Campbell

Pra fechar a seleção gringa, a bela, barraqueira e icônica Naomi Campbell

Pra quem tem dificuldade em encontrar informações sobre modelos de todos os tempos, a dica é o site www.thefashioninsider.com

Amanhã tem black cast brasileiro. Problema é que não encontro foto da pioneira Veluma.

As capas que estão dando o que falar

19 abr

Do site da Vogue:

vogueam

Para a edição especial que homenageia as principais tops do mundo, a editrix Anna Wintour selecionou suas queridinhas para estrelar a capa. As brasileiras Caroline Trentini, Isabeli Fontana e Raquel Zimmermann posam ao lado de Liya Kebede, Natalia Vodianova, Anna Jagodzinska, Lara Stone, Jourdan Dunn e Natasha Poly. Um poder só. A revista ainda esmiuça a vida das meninas; em pauta, namorados, dietas, filhos…

Anna Wintour sempre celebra as principais tops em suas capas. Em maio de 2007, Lily Donaldson, Hilary Rhoda, Doutzen Kroes, Sasha Pivovarova, Caroline Trentini, Raquel Zimmermann, Jessica Stam, Chanel Iman, Coco Rocha e Agyness Deyn formaram o dream tem, sob o título de “The World’s Nex Top Models”. Isabeli Fontana também figurou numa outra capa do gênero, dessa vez em setembro de 2004. Fotografada pelo mesmo Steven Meisel que assina a edição de maio de 2009, Isabeli apareceu na capa da edição “Models Of The Moment” ao lado de Daria Werbowy, Natalia Vodianova, Gisele Bündchen, Karolina Kurkova, Liya Kebede, Hana Soukupova Gemma Ward e Karen Elson.

O que o site não informa é a primeirona capa do gênero: Janeiro de 1990.

voguecoverjan90_xl_320x421

Editada por Elizabeth Tilberis e fotografada por Peter Lindbergh, lá estavam Naomi Campbell, Linda Evangelista, Tatjana Patitz, Christy Turlington and Cindy Crawford. Era o início da era das super models. Depois viriam a fama hollywoodiana, os clipes do George Michael (Too Funky e Freedom 90)  e as frases de efeito (“Não levanto da cama por menos de 10 mil dólares”, atribuída à Linda Evangelista).

E falando em capa de revista, não tinha muita fé no tal photoshop zero da Elle francesa…

elle

… até ver a capa com a Sophie Marceau. É difícil acreditar que a moça aí do meio seja a mesma Elektra King do 007.

She’s the cover in the magazine

Déjà vu # 2

12 mar
Déjà vu com mais roupas. Para ser mais exata, um luxuoso look Dior para
a Vogue America, em 1955.
Calendário Pirelli 2009

Calendário Pirelli - mar/2009

Outra da Pirelli

Outra da Pirelli

Richard Avedon, para Vogue (1955)

Richard Avedon, para Vogue (1955)

Vogue Russia 10 anos

27 nov

Olha que fofo! Para celebrar seus 10 anos, a Vogue Russia convidou 31 grifes para desenhar matrioskas, aquelas bonequinhas típicas do país.

vogue_russia_1

Apesar de toda a tradição, elas realmente ganharam a cara de cada uma dessas marcas, perdendo todo o ar inocente e pueril para encarnar Cavalli, por exemplo, ou o minimalismo de Margiela.

vogue_russia_0

Pós-post: Achei o restante das páginas da Vogue Russia no blog da Simone Monte.