Tag Archives: Jornalismo

Vogue Russia 10 anos

27 nov

Olha que fofo! Para celebrar seus 10 anos, a Vogue Russia convidou 31 grifes para desenhar matrioskas, aquelas bonequinhas típicas do país.

vogue_russia_1

Apesar de toda a tradição, elas realmente ganharam a cara de cada uma dessas marcas, perdendo todo o ar inocente e pueril para encarnar Cavalli, por exemplo, ou o minimalismo de Margiela.

vogue_russia_0

Pós-post: Achei o restante das páginas da Vogue Russia no blog da Simone Monte.

Recessionistas

4 nov

Listinha de links atualizada aí do lado, com a entrada do Última Moda, extensão da coluna homônima da Folha de São Paulo. Gosto muito da maneira como o Alcino Leite Neto escreve: direto, conciso, informativo, sem fru-frus, ai ais e uós tão comuns no jornalismo de moda. Talvez por ser egresso de outras editorias (o que lhe dá uma visão mais abrangente do mundinho fashion, para além das tendências), talvez pela linha editorial do jornal (não sendo um veículo especializado, tem que se comunicar bem com todo leitor, fashionista ou não).

Isabeli Fontana, em clima "Great Depression", para a Vogue America

Isabeli Fontana, em clima "Great Depression" para a Vogue America

O importante é que o blog está sendo bem atualizado, vários posts por dia, com conteúdo que ficou de fora da coluna. Mais informal também, como é próprio dos blogs. E logo de cara encontrei uma boa dica dessa reportagem no NY Times, assinada por Natasha Singer, “A Label for a Pleather Economy”, sobre a entrada em cena do “recessionistas”: materiais mais baratos, pontas de estoque, segundas linhas ou apenas uma justificativa para consumir sem culpa. Seria o fim da era “Sex & the city” e suas consumidoras compulsivas, segundo o Style.com, citado pela jornalista.

Por acaso, essa semana reprisava o episódio em que Carrie leva um fora de seu ficante Berger, mas antes recebe uma ligação de Mr. Big – e atende o telefone bem no meio da Century 21.

Momento “Jabá de mim mesma”

10 maio

O que é que tem na terceira edição da Seven? Dois editoriais lu-xo: o vermelho-sangue, fotografado em frigoríficos da cidade, em clima de Jean-Pierre Jeunet e Peter Greenaway, e o nosso Quixadá de Rosemberg Cariry em figurinos de Mark Greiner. Tem NYC em pedaços, raridades de design da net e baião-de-dois de dar água na boca. Essas são as bancas onde a revista está à venda:

Banca Paz
Praça Portugal,45

Banca da Cultura
João Cordeiro,1155

Banca Cinco estrelas
Barbosa de freitas,33

Banca Exemplar
Av. Antonio sales,2402

Banca Lider
Barão de sturdat,2015

Banca Assembleia
Barbosa de freitas,2701

Livraria siciliano
Del Paseo

Boa leitura!

Do desconhecimento geográfico

4 maio

Essa poderia ter saído do Pérolas das AIs:

Assessora tentando puxar o saco em e-mail:
“Oi querida! Fortaleza deve ser uma cidade linda. Ainda tiro férias aí. Seguem os dados de PERNAMBUCO”

O que me lembra aquele caso anterior:
“Oi, Fulano. Nessas tabelas que você mandou com dados do Nordeste está faltando o Maranhão”
“E o Maranhão fica no Nordeste?”
(Sem graça, vergonhalhêa total) “Sim, fica”
“Bom, SE VOCÊ DIZ”

Não vou nem dizer que tenho medo do QUÊ os cursos de jornalismo estão formando, porque essa geografia se aprende no primeiro grau, né? Ops, agora é ensino fundamental. E acabei de revelar minha geração.