Corpo indócil

23 jul

Uma das fotos da campanha de inverno da Givenchy é essa aí do lado. A grife francesa contratou nove modelos, entre homens e mulheres, a maioria deles propositalmente bastante andróginos. Um deles é Lea T, que se destaca na foto de ombro desnudo e batom vermelho escuro. É também a única de salto. Isso é importante.

Lea é assistente pessoal de Riccardo Tisci, estilista da marca, que costuma trabalhar com essa relação anti-dicotômica entre masculino e feminino. Apesar da estreita convivência com o mundo da moda, estudava veterinária e aceitou o convite para estrelar a campanha por amizade. A recém-descoberta modelo também desfilou alta-costura para a Givenchy.

Depois disso, foi destaque na Vanity Fair italiana e considerada uma das apostas do momento pela Vogue francesa. Um perfil bem escrito com uma foto corajosa, que tenho minhas dúvidas que a Vogue americana ou a brasileira publicassem. Lea está nua e omite/revela que a nova estrela da agência Women nasceu Leandro.

Quando elogiei a foto em público, vi muitos narizes torcidos. Nos sites que permitem comentários, várias reclamações (sem falar nos religiosos ofendidos de plantão). “A foto é feia”, diziam, ou “só pra chocar”. Evidentemente que o retrato na Vogue não tem a intenção de ser belo nos padrões clássicos pré-estabelecidos. A riqueza está na construção da foto, em que o significado (conteúdo) se sobressai sobre o significante (forma). Num mundo de aparências, Lea aparece exatamente como é: nua, sem maquiagem, cabelos longos, seios femininos e um órgão masculino que tenta esconder (certamente incomoda muito mais a ela do que a você, pudico leitor).

Por que será que incomoda tanto? Talvez porque o corpo seja uma das formas mais efetivas de controle. Foucault falava dos “corpos dóceis”, voltados à disciplina, submissos, controlados. O corpo de Lea T é transgressor. Ao abrigar em si o masculino e o feminino, constrói uma subjetividade que foge dos papéis impostos pelo e ao “sexo biológico” e rompe com normas de comportamento e estética.

O que faz uma mulher? Em entrevistas, Lea conta que fará cirurgia para mudar de sexo e adequar seu corpo a sua psiqué. Como já disse em outro post, o corpo visto como uma dádiva divina e intocável não existe mais. Hoje o corpo é um projeto humano, o que permite até mesmo a mudança de sexo. Sem falar que a questão reascende velhos debates: alma x corpo x razão x natureza. Ainda que inconscientemente, mexer em idéias cristalizadas assusta.

Parabéns a Carine Roitfeld, pela ousadia e por acreditar, além do discurso batido, que, sim, a moda também tem a ver com mentalidades.

Anúncios

Uma resposta to “Corpo indócil”

  1. Camargo fevereiro 25, 2011 às 4:06 pm #

    Você só esqueceu de mencionar que a transexualidade é uma transtorno psiquiátrico. É uma patologia, a própria Lea T. em entrevista a Oprah Winfrey, menciona isso como uma doença.
    Ou seja, é ilusão acreditar que é vantajoso ou corajoso ser assim. Ninguém quer passar por isso. Seu post demonstra total desconhecimento do assunto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: